Como a incontinência urinária afetou o meu sono

A incontinência urinária, na forma de enurese noturna (vontade de urinar à noite), entrou na minha vida aos 34 anos. Este problema mexeu drasticamente com a minha qualidade de vida, principalmente no que toca ao sono. Não dormia e não deixava os outros dormirem.

 

Levantava-me cerca de três vezes para ir à casa de banho, com uma vontade imensa de urinar. O meu sono era terrível, porque estava constantemente a ser interrompido. Estava sempre a levantar-me, o que resultava numa fraca qualidade de descanso. Durante muito tempo, não consegui dormir continuamente as horas suficientes. Andava exausta, triste e irritada.

 

Mas esta não foi a única consequência. A má qualidade de sono causada pela incontinência urinária mudou a minha vida. Não me afetou só a mim. Afetou a minha produtividade e a relação com o meu namorado. Por causa de mim, também ele estava sempre a acordar durante a noite, sem conseguir descansar.

"

Andava exausta, triste e irritada

"

Amália | 34 anos

Tinha tanta vergonha, que me recusava a debater o problema com ele. Com isto, a nossa relação foi se deteriorando gradualmente. Eu fechava-me, não queria falar. Estava sempre a fugir do assunto. Ele não compreendia: se o problema persistia, porque é que eu não estava à procura de soluções? Eu explico porquê: tinha medo que elas não existissem. Mas estava enganada.

 

Hoje olho para trás e penso nas repercussões terríveis que a incontinência urinária tem na vida de quem vive com ela. Quero que toda a gente saiba. Este é um problema que pode ser tratado — e nem sequer é necessária uma cirurgia. Existem suplementos naturais que ajudam muito.

 

Demorei a compreender. A incontinência urinária é, afinal, muito mais comum do que eu pensava. Só que, como eu, muitas outras mulheres têm vergonha de falar. E por isso, perdem horas de sono. Horas sagradas de descanso.

  

Como a incontinência urinária afetou o meu pós-parto

Marta | 42 anos

As perdas de urina começaram a acontecer ainda durante a gravidez. Atacavam quando espirrava, quando tossia, quando me ria e até nas idas ao ginásio — muito importantes para combater o enorme número de quilos que ganhei.

Saiba mais
  

Como a incontinência urinária afetou a minha menopausa

Margarida | 47 anos

Entrei na menopausa aos 47 anos. Foi um inferno: calores de tal ordem, que me faziam abrir a porta do frigorífico para me refrescar, a menstruação a desaparecer, a gordura a acumular-se na zona do abdómen. Não é um período fácil para a mulher. É um tempo de grande mudança, mas, lá me adaptei. Que remédio!

Saiba mais
  

Como a incontinência urinária me levou à depressão

Beatriz | 38 anos

Recuperei desta intervenção médica, mas o meu corpo não estava igual. A minha bexiga não respondia da mesma maneira e, além de ter perdas de urina sempre que fazia esforços, tinha, de repente, uma grande vontade de ir à casa de banho. Várias vezes ao dia.

Saiba mais